loader
Resultados dos primeiros meses da consultoria do Sírio-Libanês e Moinhos de Vento são apresentados na Câmara

Resultados dos primeiros meses da consultoria do Sírio-Libanês e Moinhos de Vento são apresentados na Câmara

Quatro meses após a intervenção nas unidades de saúde administradas pelo Gamp, o município apresenta os resultados do trabalho da consultoria prestada pelos grupos hospitalares Sírio-Libanês e Moinhos de Vento. Um balanço das primeiras ações foi divulgado na Câmara Municipal, na sessão de quinta-feira, 9, durante Grande Expediente proposto pelo presidente da Casa, vereador Cezar Mossini (MDB).

A consultoria das instituições é feita através do programa Proadi-SUS, do Ministério da Saúde, sem custos ao município. O trabalho pretende nortear a Prefeitura sobre a melhor forma de gestão do Hospital Universitário, do Hospital de Pronto Socorro, da UPA Rio Branco e de quatro Caps. A intervenção nos contratos gerenciados pelo Gamp começou em 12 de dezembro.

O Consultor de Relacionamento Institucional do Hospital Moinhos de Vento, Luiz Antônio Mattia, salientou que o trabalho busca contribuir para a melhoria da qualidade dos serviços prestados na área da saúde em Canoas. Na análise do secretário municipal de Saúde, Fernando Ritter, a consultoria, que permanecerá por mais quatro meses na cidade, trouxe melhorias visíveis nos primeiros meses de trabalho, realizado desde janeiro, e já mostra "resultados robustos". Segundo ele, o município tem seguido quase a totalidade das recomendações feitas até o momento pelos consultores. Entre as ações já adotadas estão alterações nos contratos com fornecedores e remanejamento de pessoal.

O detalhamento da primeira etapa do trabalho, que resultou em um relatório com o diagnóstico da situação das unidades de saúde, foi apresentado pelo consultor do Sírio-Libanês, Paulo Malabarba. O documento contém levantamentos detalhados de gastos e investimentos que eram feitos e as formas de torná-los mais efetivos. A análise abrangeu uma série de indicadores, entre eles as taxas de ocupação dos hospitais, o tempo de permanência dos pacientes e as despesas com colaboradores.

A consultoria entra agora na segunda etapa, que buscará a implementação das recomendações. O objetivo, conforme Malabarba, é otimizar os recursos e investir com melhor qualidade. "Os problemas não eram apenas de recursos, mas de gestão", destacou. Participaram também do Grande Expediente o interventor na saúde de Canoas, Francisco Figueiredo, e o secretário-adjunto de Governo, Guido Bamberg, além da equipe de consultoria e de diretores e funcionários das unidades de saúde.