loader
Câmara realiza primeira sessão ordinária de 2018

Câmara realiza primeira sessão ordinária de 2018

A Câmara Municipal de Canoas abriu na quinta-feira (1º/2) o ano legislativo, com a realização da primeira sessão ordinária de 2018. Em seu pronunciamento, o presidente da Casa, vereador Alexandre Gonçalves (PPS), enfatizou que a nova gestão tem como meta intensificar a aproximação com a comunidade.  

Ao comentar o primeiro mês à frente da presidência do Legislativo, Alexandre defendeu uma maior participação da população e a necessidade de dar mais visibilidade ao trabalho dos vereadores. "A tendência é termos uma câmara mais participativa e mais próxima à população", ressaltou. Uma das ações previstas é a realização de audiências públicas nos bairros.

A sessão foi acompanhada pela deputada estadual Any Ortiz (PPS) e pelo assessor de Relações Institucionais da Ala 3 (antigo V Comar), coronel Uirassú Litwinski Gonçalves. Em sua fala, a deputada comentou a importância do trabalho dos vereadores e desejou ao novo presidente da Câmara a realização de uma gestão com lisura, transparência e imparcialidade.

No espaço dedicado às Comunicações de Liderança, os parlamentares cumprimentaram a nova Mesa Diretora e comentaram as expectativas para 2018, ano que será marcado por temas polêmicos como a reforma da Previdência e pelas eleições gerais de outubro.  

Confira os temas abordados nos pronunciamentos:

POLÍTICA – O vereador Linck (PMDB) salientou que a disputa entre partidos não interessa à sociedade e defendeu a busca de ações em busca do bem comum da sociedade. O vereador Cezar Mossini, também do PMDB, destacou a importância do parlamento. Citando o escritor Rui Barbosa, lembrou que o parlamento é o coração do sistema político, onde pulsam as expectativas dos mais humildes até os mais abastados. Juares Hoy (PTB) avaliou que 2018 será um ano de reflexão e de limpeza na política nacional. O vereador também criticou as pessoas que continuam se manifestando em defesa do ex-presidente Lula. Em contraponto à fala de Juares, a vereadora Maria Eunice declarou que, mesmo condenado, Lula é um vencedor por instituir um novo jeito de governar o país. Ressaltou que o povo está convencido de sua inocência, lembrando que pesquisas indicam a vitória do político numa possível disputa nas eleições de 2018.

POLÍTICA II – O vereador Gilson Oliveira (PP) aproveitou o espaço para saudar o novo líder do governo na Câmara, vereador José Carlos Patricio (PSD), e o vice-líder, Betinho do Cartório (PTB). Em sua fala, Patricio afirmou que a administração municipal tem ouvido a oposição e tomado medidas fortes em busca do melhor para a cidade. Lamentou, no entanto, que o governo estadual esteja no caminho contrário, "não cumprindo com suas obrigações". O vereador César Augusto (PRB) desejou sucesso a todos que estão colocando os nomes à disposição dos partidos para concorrer nas próximas eleições.

PREVIDÊNCIA – A reforma da Previdência foi abordada pelo vereador Aloisio Bamberg (PCdoB). Ele enfatizou que o país enfrenta a perda dos direitos sociais, "chancelada por deputados comprados pelo presidente Michel Temer". Bamberg citou ainda as demissões ocorridas após a reforma trabalhista e o avanço nas privatizações. O vereador Canhoto (SD) pediu o apoio da deputada Any Ortiz para buscar junto aos deputados federais do PPS o voto contrário à reforma previdenciária.

TARIFA – O reajuste de 94% na tarifa da Trensurb foi comentado pela vereadora Maria Eunice (PT), que classificou o aumento como inadmissível. Segundo ela, a bancada do PT irá apresentar uma moção para que a Câmara se manifeste em relação ao tema. A vereadora ressaltou que o reajuste resultará no comprometimento de 30% do salário mínimo dos trabalhadores. Juares Hoy (PTB) sugeriu que o presidente da empresa seja convidado a esclarecer a situação na Câmara. O vereador afirmou que o aumento é fruto de muitos anos sem reajuste da tarifa.

SEGURANÇA – O vereador Sargento Santana (PTB) fez um alerta sobre os problemas enfrentados na área da segurança pública em Canoas. Apontou a falta de comunicação e omissão do governo do Estado. "Estamos passando por um momento crítico", ponderou. Santana também comentou o julgamento dos acusados pelo assassinato de um policial em Gravataí, lamentando a pena a que foram sentenciados: "Toda vez que um agente da segurança é atingido, toda população também é atingida”.